Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por Vânia, em 06.05.09

O nascimento da Teresa

Na madrugada de 30 de Abril para 1 de Maio senti algumas contracções por volta das 2 da manhã. Iam e vinham com uma frequência de mais ou menos 7 minutos. Nada que não tivesse sentido antes e, portanto, nada de alarmante. Numa das vezes em que fui à casa de banho reparei num líquido cor de rosa. Estranho. Acordei o Filipe e mostrei-lhe o papel. Estava um bocado sem saber o que fazer. Se aquele líquido era efectivamente alguma coisa de importante ou se não valia muito a pena preocupar-me. Acabamos por decidir ligar ao Saúde 24. Expliquei toda a situação e sou informada que vão passar a chamada ao INEM. Ok. Tudo bem. Volto a explicar tudo o que se passa ao INEM. Pedem-me então informações para encontrar a casa. E eu digo que não preciso de transporte, moro a 5 minutos do Hospital. A resposta foi rápida: não, a senhora vai esperar pela ambulância deitada, virada para o lado esquerdo. Aqui confesso que me assustei. Até parecia que ia parir a qualquer momento, apesar de eu estar na maior. Vestimo-nos e viemos para a sala. Fiquei deitada no sofá e passado pouco tempo chegou o INEM. Dois senhores muito simpáticos. Mediram-me a tensão, o ritmo cardiaco, fizeram algumas perguntas e ala para o Hospital. O Filipe seguiu no carro atrás da ambulância. Na ambulância foi-se falando do caos que se vive nas estradas de Portimão. Está tudo em obras. Ainda demoramos um bocadinho a chegar ao Hospital (pelo menos foi o que me pareceu, mas a ambulância parece que passou vermelhos e tudo LOL).

 

No Hospital

 

Ao chegar ao Hospital fui a triagem e mandaram-me para o bloco de partos onde à minha espera estava a enfermeira O. Acho que não me vou esquecer. Bruta como as casas. Simpatia não fazia parte do vocabulário. Até este momento eu ainda não sabia se aquilo seria a minha primeira visita ou se seria a definitiva. A enfermeira fez-me um toque de trepar paredes. Mandam-me vestir a bata e sou enviada para o Bloco de Partos. Fomos para uma das salas de partos. Se nada obtasse seria ali que teria nascido a Teresa. Ligaram-me ao CTG. Fizeram o toque. Não havia dilatação. A médica veio observar-me. Logo na altura de uma contracção aproximou-se de mim e eu dei uma expiradela e saltou-se ela "não se respira para cima das pessoas!". Se a situação não fosse tão surreal, eu ter-me-ia rido. A parteira, não lhe fixei o nome, merecia uma estátua. Foi das pessoas mais doces e simpáticas que encontrei na passagem pela maternidade. Cerca das 9h00 serviram-me o pequeno almoço. Levantei-me e ainda o tomei na mesa. Café com leite e um paposeco com manteiga. Voltei para a cama e passado um bocado senti-me mal disposta. Ainda tocamos a campainha.. ainda pedi ao Filipe que me chegasse a arrastadeira... Tarde demais. Vomitei para o chão, para as calças do Filipe... enfim. Foi a desgraça. Va lá que as auxiliares tiveram pena do meu home e lhe arranjaram umas calças "à médico" para vestir. Fiquei com uma história para contar, até porque como disse a parteira "parto vomitado, parto abençoado". Ainda de manhã no meio de uma contracção em que tinha o Filipe a fazer-me massagens nas costas senti um "ploc" e a seguir a sensação de estar numa piscina de água quente.  Não sei exactamente a que horas me disponibilizaram a "bola milagrosa". Sentei-me em cima da dita e rebolando fui controlando as contracções, até aqui muito fáceis de lidar. Serviram o almoço que seria para mim, ao Filipe. Às 14h a parteira visto as coisas não estarem a evoluir pergunta se queremos uma ajudinha medicamentosa. Respondemos que sim. Ela diz que se não aguentar se pára um bocadinho. Foi o período pior. Aguentei até às 15h30 cheia de dores. O cansaço já era muito porque até ali ainda não tinha dormido nada. Entre as contracções, sentada na bola, encostava-me ao Filipe e dormitava. Foi o momento mais doloroso. Quis desistir da ajuda medicamentosa, quis voltar às dores que tinha antes. Disse algumas vezes que aquilo era horroroso. O Filipe não me deixou desistir. "Já falta pouco amor. Só mais cinco minutos, vá lá..." Por volta das 16h, novo toque. Quase três dedos. Passado um bocado a parteira volta. Diz que falou com a médica e que como eu estou queixosa e tal vão me dar a epidural e que já chamaram o médico. O Dr. José Augusto, Deus lhe dê uma longa e boa vida, foi um anjinho. Foi de uma simpatia e dedicação impecável. O pai saiu da sala e eu levei a epidural depois de assinar a respectiva declaração de responsabilidade, com a letra já muito torta LOL. Não custou nada levar a dita. Às 16h25 já não havia dores. Estava no céu. Conversamos muito. Estivemos desde o início sempre sozinhos os dois, no escurinho, a ouvir a RFM. Nessa madrugada tocou que se fartou "Losing my religion" dos REM. Já passava das 17h quando a parteira entrou no quarto e disse que a bebé não estava a gostar daquele filme de ser apertada. Cada vez que havia uma contracção, o ritmo cardíaco baixava. Resolveu-se esperar mais um bocadinho perante a solução que seria cesariana. Não se esperou muito. A médica entrou no quarto e disse "meus amores, é assim... " Explicou a situação e a partir daqui foi tudo muito rápido. Apareceu novamente o Dr. José Augusto que me deu mais uma data de drogas. Mudaram-me de maca. Despedi-me do Filipe com um beijo e um sorriso. Custou-me muito deixá-lo, mais por ele do que por mim.

 

No Bloco Operatório

 

Fui levada para o bloco operatório onde nasceria a Teresa. Explicaram-me tudo. O médico não estava a gostar nada do ritmo do meu coração, ora muito acelerado, ora muito lento, mas as coisas acabaram por correr bem. Eu tinha muito sono, especialmente depois de todas aquelas drogas. Sentia-os mexer na barriga mas não sentia dor nenhuma. A certa altura ouvi chorar. Chorar bastante. "Já tem a sua filha..." Vieram-me as lágrimas aos olhos. Alguém comentou que tinha bons pulmões. Passado um bocadinho colocaram-na ao meu lado. Pude cheirá-la, beijá-la, fazer-lhe festinhas. Acho que se quisesse falar não conseguia. Devemos ter estado juntas uns 15 minutos. Em seguida levaram-na para cima, para junto do pai. Ficaram a acabar de coser-me. Isso pareceu-me uma eternidade. Fui depois levada para o recobro da cirurgia onde dormi um bocadinho e onde tremi bastante. Foi o início do de-stress. Levaram-me para o recobro da obstetrícia eram 21h. Assim que vi o Filipe acho que a minha alma se abriu. Acho que lhe dei um grande sorriso. Pouco depois dei de mamar à minha bebé pela primeira vez. Ela nasceu com fome e no entretanto deram-lhe um copinho de leite.

 

A estadia na maternidade

 

Não considero que tenha sido um parto difícil. Não considero que tenha sido traumatizante. Muito pelo contrário. Apesar das horas em que estive em TP, a epidural, a bola, as massagens e o constante apoio do Filipe tornaram as coisas bem mais leves. Continuo a dizer que tive um parto santo. A estadia na maternidade também correu bem. Tive alguns problemas com a amamentação que foram sendo resolvidos (especialmente na manhã da alta e depois em casa). Fui muito bem tratada por (quase) toda a gente. Porque não me lembro do nome de todos ficam a enfermeira "tia" Claúdia, o (futuro) enfermeiro Bruno, entre outros que foram mesmo mesmo impecáveis. 

Durante os quatro dias de estadia na maternidade, partilhamos o quarto com vários outros bebés: os gémeos Gabriel e Nicole, o Pedro e o Tomás.

Nesses dias recebemos a visita dos avós maternos e da bisavó E., claramente emocionada que não evitou soltar umas lágrimas ao ver a primeira bisneta (já tem vários bisnetos mas todos rapazes). Nos dias seguintes passaram pelo hospital os meus pais, os primos A e F, a minha tia C. e as primas AP e J. Recebemos também visita da amiga C. e do marido.  

 

Peço desculpa pelo post longo. Espero não me ter esquecido de nada para mais tarde recordar.

 

Em breve colocaremos uma foto da pimpolha.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

De Cláudia a 06.05.2009 às 20:45

Adorei, agora só falta a foto!!!

bjs e parabéns

De amores perfeitos a 06.05.2009 às 21:49

adorei o relato Vânia!!!


vinha cátodos os dias ver se havia novidades...aguardo foto da lindona

beijos

De sofia a 07.05.2009 às 12:43

Deixaste me de olhos em água!
Tudo de bom para vocÊs!
Bjkas

De carol a 07.05.2009 às 13:04

Hoje... um ^mês depois... ler-te fez-me soltar a lágrima que esperava conter!
São momentos que não se esquecem... obrigada pela partilha ;o)))

Beijo de mãe... para mãe ;o)))

De donacegonha2 a 07.05.2009 às 15:56

Ola mamã, mts parabens!!!

Gostei mt de saber k correu tudo bem, ja agora como tb eu tive uma Teresa e por acaso tb de cesariana, gostava de em poucas linhas contar o que foi diferente de ti.
O meu parto foi provocado, entrei para la de manha, a seguir ao almoço rebentaram me as aguas artificialmente, aqui comecei a ter muitas dores, ao fim da tarde ja tinha uns 5 dedos de dilatação quando pedi a epidural e estou como tu, aquilo doi mas nao é nada de morrer! A diferença entre ti e mim é que a epidural a mim nao fez absolutamente nada, zero, nicles. As dores continuaram e a dilatação que ja ia tao boa parou. Pela hora de jantar ja eu estava um pouco desconsolada e deixei cair umas lagrimas pois diziam que tudo ficou atrasado e ia demorar muito...Eu ja nao suportava os toques que vinham de empreitada, ás vezes estavam 2 enfermeiros a meter a maozinha (um de cada vez claro!!) a ver se afinal eram 5 dedos ou ja eram 6 (k raiva k akilo me fazia, afinal nao ha uma medida universal??)
Só ás 22h é que a medica teve pena de mim e lá me levou para o bloco. Por acaso sono nao tive nenhum e frio tambem nao (morria de medo do frio da sala de operações) mas pelo contrario sentia me mt quentinha. Nao me doeu a cortarem, mas senti horrorores quando me acalcaram a barriga afim de fazer "descer" a bebe para o fundo da barriga, ui o que eu gritei, para kem nao deu um ai nas contrações eu nakele momento tava louca de dores, mas foi mt rapido e entre os meus gritos e os medicos um bocado estupefactos por eu estar a sentir akilo, o medico mt divertido disse "vem aí a teresinha, vem aí a teresinha!" e ouvi-a chorar!
Vi-a mt pouco tempo, vi ela passar por mim e dp qd trataram la dela e eu estava a ser cosida voltaram a traze la para eu vê la com olhos de ver, e ela com os olhitos abertos, foi tao bom! A estupidez é k eu keria mt tocar nela mas estava com os braços abertos tipo cristo rei agarrados á mesa de operações, entao keriam k eu lhe desse so beijinhos mas eu tenho aparelho nos dentes e tava com medo de a magoar!!! Nem 5min tive com ela, levaram me para o recobro, o meu maior pesadelo, tive a noite toda a ouvir um raio duma velha a ressonar (neste hospital o recobro n é so de obstetricia, é recobro geral) e como fikei com uma perna dormente a manha toda so me levaram para o meu quarto á hora do almoço, e so aqui é k me trouxeram a minha prendinha e so aí é que ela mamou a 1ª...
Estive 5 dias na maternidade e isso das pessoas boas e más ha em todo o lado, eu tinha la uma enfermeira mais velha bem o que eu odiava a mulher!!!
Mas pronto passou tudo, ja esqueci o k me doeu, o 1º mes foi mt estranho, ai que estranho que era eu ter um bebe meu! Dp vieram as colicas...que inferno! Aos 3 meses passou tudo e agora quase com 5 meses é tao sossegadinha e bem comportada!!! Foi o melhor que me aconteceu!!

Desejo te agora mt sorte e paciencia, pk tb é precisa!!

E fico a aguardar ver a foto da piolhinha!!

Ja agora desculpa la o testamento looll

Jokas mt grandes

*dona cegonha*

De cabelosnoar a 07.05.2009 às 17:13

lembrar por minutos os momentos já passados emocionou-me muito.
Afinal sempre tinha razão " Antes da tempestade a bonança"
Muitos Parabéns. Tudo de bom para os pais e para a Teresa.
Graças a Deus eu entrei ás 21:00 e antes das 24:00 já tinha o meu filho nos braços.
Aviso: a vossa vida nunca mais será igual.

De belbellita a 08.05.2009 às 15:19

Os meus PARABÉNS!
Também tive o meu piolho de cesariana e não senti qualquer dor no trab de parto, pelo o menos tives-te a sorte de assitir ao nascimento da tua menina, eu levei anastecia total mas assim que acordei e ao trazerem o João p junto de mim, tudo passa.....enfim....são momentos inesqueciveis!
Que sejam muito felizes e que tudo corra bem!
Beijos

De Mamã Alexandra a 08.05.2009 às 18:01

Olá Vânia! Muitos parabéns! Estou ansiosa por ver a piolha Teresa :)
Pelo relato, o teu parto foi mesmo santo... o meu nem por isso... brevemente descrevo-o (quando o meu filho for menos chorão e comilão!)
Beijinho para vocês

De patricia a 09.05.2009 às 23:12

Passaste por isso tudo e ainda achas que foi abençoado?
espero que esteja tudo bem. viste a minha sms?
bjs

De Anokax a 10.05.2009 às 15:23

Muitos parabens!!
Realmente foi santo... :)
Muita sorte, pouco sono e muita coragem!!
Beijocas e mais uma vez parabens

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim


Arquivo

  1. 2013
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2012
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2011
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2010
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2009
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2008
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2007
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ