Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por Vânia, em 14.01.08

Porque dá que pensar...

O desafio de ter um filho
 
Na sociedade contemporânea muitos são os futuros pais, cujas motivações mais ou menos inconscientes para se tornarem pais podem associar-se, entre outros factores, a quererem dar continuidade ao nome da família, deixando uma marca da sua existência.

Os aspirantes a pais poderão igualmente pensar, que esta será uma oportunidade de se colocarem à prova, descobrindo se serão capazes de exercer este novo papel.

Para além disso, poderão desejar ser finalmente aceites como adultos ou até, reparar as feridas de uma infância infeliz.

E, como no senso comum, as pessoas vão dizendo que ter filhos é o melhor do mundo, muitos são aqueles que, em busca de uma compensação afectiva ou para aliviar as frustrações vividas, esperam obter somente prazer da relação com os filhos, tendo pouca consciência dos cansaços, decepções e sofrimentos que a tarefa de educar implica.

Assim, existem pais que acreditam que o nascimento de um filho será, salvo raros momentos, uma experiência cor-de-rosa, esquecendo-se que dessa experiência, todas as cores farão parte e que é para toda a vida, não havendo lugar para posteriores arrependimentos.

Por conseguinte, quando surge um filho, este traz à superfície todas as dificuldades e incompreensões sentidas pelos pais na sua infância, despoletando-se fortes emoções.

Acontece então, que muitos pais apesar de ainda continuarem a sofrer por se sentirem mal-amados e no fundo, vítimas de sentimentos de raiva por parte dos seus progenitores, acabam por repetir os gestos que criticavam nestes, através de mensagens desvalorizantes, humilhações ou punições, que poderão atingir as proporções de maus-tratos graves, repetindo um ciclo intergeracional de violência, com consequências bastante nefastas na estruturação da personalidade da criança.

Por outro lado, os pais poderão ficar desiludidos quando a criança idealizada não corresponde à criança real, pois quando projectaram ter um filho imaginaram que este seria perfeito, criando falsas expectativas.

Com efeito, o desejo de ter um filho poderá ter subjacente o sonho de casais, que eventualmente até planearam a gravidez, mas que não estão suficientemente maduros para conseguirem lidar com as angústias e dificuldades que esta mudança traz nas suas vidas.

Neste contexto, é provável que a ausência de uma estabilidade emocional nos pais, crie o terreno propício para a ocorrência de grandes turbulências na relação com os filhos, que se não forem atempadamente resolvidas, irão afectar o bem-estar de ambos.

A fim de evitar desfechos trágicos, apela-se a que os futuros pais antes de tomarem esta importante decisão, o façam em consciência plena, de forma a que este acontecimento tão único e gratificante, não se venha a tornar no seu pior pesadelo!

* Psicóloga infantil
Maria J. Capela *
    in www.regiao-sul.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Paula a 15.01.2008 às 14:43

É verdade.
Muita gente tem filhos porque quer dar-lhes a infância que nunca teve ou porque os outros dizem que já está na hora.
É um erro crasso, porque filhos devem-se ter, sim mas, só quando o casal acha que deve.
Bjs!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim


Arquivo

  1. 2013
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2012
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2011
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2010
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2009
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2008
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2007
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ


subscrever feeds